quarta-feira, julho 15, 2009

Boas notícias-II

É disso mesmo que precisamos: boas notícias. Sobretudo as que referem o sucesso de orientações estratégicas inovadoras, relacionadas com actividades económicas de uma região que, se não está deprimida, está à beira de um ataque de nervos.

De acordo com dados divulgados pelo Instituto de Estudos Regionais e Urbanos da Universidade de Coimbra (ver no Notícias de Vouzela), tem aumentado significativamente a comercialização da carne certificada da vitela de Lafões. Melhor ainda: não só é previsível que o aumento continue, como se reconhece que a nossa vitela pode constituir pólo dinamizador de outras actividades que com ela organizem planos integrados (fileiras).

Ao fim e ao cabo, as notícias que agora chegam, apenas confirmam estudos anteriores já aqui divulgados e comentados, sempre com a mesma conclusão: a melhor "marca" que temos, o "produto" com maior capacidade para conquistar mercado, é a própria região com as suas especificidades (paisagísticas, gastronómicas, artesanais, etc., etc., etc.). Ninguém nos procura para encontrar o que pode ter noutro sítio qualquer.

Há um longo caminho a percorrer, cheio de obstáculos, desde a sensibilização dos agentes económicos, passando pela formação, até à reconversão e certificação de outras actividades e produtos. No entanto, pequenos passos podem ser dados, desde já, sem grandes encargos financeiros. Por exemplo, se é positiva a avaliação dos percursos pedestres promovidos por todas as autarquias, talvez seja de alargar o seu âmbito, organizando propostas em torno de produtos de referência, como é o caso da vitela certificada. É a partir de experiências bem sucedidas que mais facilmente se conquista a população para as reformas necessárias.

Nota final: Carmo Bica, na qualidade de presidente da Cooperativa Três Serras de Lafões, comentou as conclusões apresentadas pelo Instituto de Estudos Regionais e Urbanos, chamando a atenção para as potencialidades da "fileira da vitela", para algumas alterações necessárias (melhoria das condições de vida e de trabalho dos produtores, conquista dos mais jovens para a actividade, aumento da formação, criação de estruturas comunitárias, articulação com a investigação, etc.) e para a importância dos autarcas não se alhearem do processo. Enquanto candidata à Câmara Municipal de Vouzela, esperamos ver estas preocupações no programa do partido por que concorre. São "obras" dessas que o concelho necessita.

2 comentários:

Flor disse...

Que se saiba, em Portugal, a competência em matéria de agricultura e as conexas questões ligadas à criação de gado, ainda não passaram do Ministério da Agricultura para as Câmaras Municipais.
A engª Carmo Bica, que o Pastel apoia, há mais de duas décadas que é funcionária do referido Ministério e com responsabilidades directas na região de Lafões. Ao dizer o que disse, a agora (re)candidata emite e assina um altíssimo atestado de incompetência ao Ministério a que pertence e, em bom rigor, a ela própria.
Além disso e ao mesmo tempo, a referida engenheira é dirigente da ADRL e da Cooperativa 3 Serras, entidades que beneficiaram ao longo destes anos de centenas de milhares de euros para a promoção, divulgação e comercialização da vitela de Lafões. Se a senhora engenheira conclui que a questão da Vitela afinal é da competência das Câmaras, então as associações a que pertence, no mínimo, deverão proceder à devolução das quantias recebidas.
Como cereja em cima do bolo, o próprio marido tem uma empresa que se dedica à inseminação das vitelas procriadoras e outra à comercialização dos bifes, costeletas e afins.
Pergunta-se: porque é que o IERU perdeu tempo e gastou dinheiro a fazer o raio do estudo? Bastava ter perguntado à engenheira Carmo Bica, pois ela bem sabe como funciona esta coisa da “fileira da vitela”.

Zé Bonito disse...

Flor:
Não sei o que a levou a concluir que o Pastel de Vouzela apoia Carmo Bica. Limitámo-nos a dizer que, enquanto candidata à autarquia, gostávamos de ver as suas preocupações integrarem o seu programa. Isto, porque os programas autárquicos têm sido, de um modo geral, completamente vazios, fugindo a qualquer responsabilidade ou a qualquer papel na reorganização de actividades económicas (opinião com que, pelos vistos, a Flor concorda), embora não sejam tão tímidos a espalhar pavilhões gimnodesportivos, parques ditos industriais para "inglês ver" ou a manifestar disponibilidade para alterar o estatuto de terrenos. Se Carmo Bica, ou qualquer outro candidato, conseguir alterar este estado das coisas, óptimo. O debate será enriquecido e todos sairemos a ganhar.
Quanto à opinião que manifesta a respeito da compartimentação das responsabilidades sobre questões ligadas à criação de gado (ou de qualquer outra actividade estruturante do tecido económico local),tem o nosso espaço à disposição para as desenvolver e debater. Apesar de não concordarmos com ela. No espaço do Pastel de Vouzela respeitam-se e discutem-se todas as opiniões. Só não aceitamos ataques pessoais.
Muito obrigado pelo seu comentário.