domingo, julho 22, 2007

A invasão dos urbanóides- 1

René Magritte, Golconde, 1953

Cresceram no tédio do final do Estado Novo, ou nos primeiros anos do pós-PREC, quando as orientações do FMI eram a coisa mais parecida com um sistema de valores alternativo à “desordem da escumalha”. Conheceram a “província”, na companhia forçada de familiares nas deslocações de férias, sentindo-se perdidos perante a imensidão do espaço e do tempo e ameaçados pela constante solicitação do meio: a irregularidade do solo, o andar a pé, a poeira dos caminhos, o calor tórrido ou o frio, nada para comprar- uma maçada. Sonharam com a agitação de Paris ou de Londres, onde era suposto, a cada minuto, uma novidade se lhes vir sentar à mesa, numa efervescência semelhante ao do gás das garrafas de Coca-Cola. Chamavam-lhe “estímulo intelectual”. Nos cafés das “Avenidas Novas”, formularam hipóteses, arriscaram teorias e cimentaram o princípio de que a afirmação suprema do indivíduo está no seu catálogo de compras. Filiaram-se em partidos, muitos foram ministros, concretizaram ideias... não gostaram dos resultados. Entretêm-se a engendrar desculpas, a justificar a asneira para não terem que assumir a derrota. Continuam a fazer opinião e escrevem coisas como estas: “(...)quem vive no horror do Grande Porto ou da Lisboa não vive, pelo menos, no horror de uma aldeia isolada e morta”- Vasco Pulido Valente, Público, 22/07/2007

3 comentários:

"The Rake" disse...

The only thing I saw I understood was Coca-cola. Good Luck!

Zé Bonito disse...

Só percebeste isso, porque o Vasco ainda não é tão conhecido como o Eusébio, o Figo ou o Cristiano Ronaldo. De qualquer modo, boa sorte também para ti. Pela nossa parte, continuaremos a tentar que o "espaço livre", o contacto com o "meio natural", não fique limitado às animações de um qualquer "Disney World".

V.F. disse...

Não percebeu ele, mas percebi eu - e muito mais gente, com certeza.
E, para muita outra gente, o VPV é o Figo dos cronistas, onde nos últimos tempos, na minha opinião, não se vislumbrou nenhum Ronaldo.
Agora nos blog´s a história já é outra.