segunda-feira, julho 07, 2008

Festa em Vouzella

Semanário Charivari
27 de Agosto de 1892


N'este pallido reflexo do dia 14 d'este mez, na pittoresca villa de Vouzella, manifesta o Charivari o seu respeito á nobre dama, cujo retrato exorna hoje a primeira pagina d'este semanario, senhora por egual opulenta de riquezas e virtudes, que generosamente prodigalisa a bem dos humildes e desgraçados. E ao ex.mo sr. João António Gonçalves de Figueiredo, prestante cidadão que promoveu a sympathica festa da inauguração da biblioteca escolar e da distribuição dos premios ás alumnas distinctas, deveu o brilhantismo d'esta festa. o Charivari agradece á obsequiosa amabilidade d'este cavalheiro a honra com que o distinguiu, fazendo-o participante de toda a memoravel solemnidade.


Pormenores das ilustrações da publicação

Sala da Biblioteca cuja inauguração foi o motivo da festa.



Pormenor do banquete. Repare-se como se sentavam as pessoas. Homens de um lado, mulheres do outro. Seria um costume da época? Os assuntos de conversa não se cruzavam?



"Caza da Escola" (Escola Conde de Ferreira).



Os desenhos foram mais ou menos feitos "à escala" pretendendo dar uma ideia da realidade de cada um dos temas abordados. Excepção feita a este, que representa uma curiosa ilustração do monte e capela da Senhora do Castelo.



A "
nobre dama ... senhora por egual opulenta de riquezas e virtudes" a que se refere o texto inicial era a D. Victória Adelaide de Seixas Loureiro e Barros.




Posteriormente, em
7 de Setembro de 1895 o Charivari publicaria o retrato do Sr. João António de Figueiredo.

4 comentários:

Zé Bonito disse...

Penso que esta "Charivari" era uma revista ilustrada portuense, que iniciou a sua publicação nos finais do século XIX.
A senhora referida, penso que era uma benemérita local, que doou a "Casa de Cavalaria" (actual Hospital de Retaguarda)à Misericórdia.
João Gonçalves de Figueiredo, deve ser o mesmo que referimos nos posts "Mostrar Portugal aos portugueses" e "Há 75 anos chegava água canalizada ao Monte do Castelo".
Grande post, CP, com um documento fantástico.

Zé Bonito disse...

Asneira. Saber ler é muito bonito e bastava termos ampliado a última foto para vermos que este João Figueiredo é, nem mais, nem menos, que o Barão da Costeira (9 de Setembro de 1835 a 18 de Setembro de 1905). O seu nome (e, sobretudo, a sua influência) ficou ligado a várias obras do concelho, tais como a estrada para a Foz, a estrada para o Castelo, a estátua a Morais Carvalho e à criação do então Asilo.
Aqui fica a correcção.

B.A. disse...

Curioso! A propósito do tal Barão da Costeira, de nome João GONÇALVES DE FIGUEIREDO: Pela fisionomia perceptível na foto e pelo nome, será que José Maria Gonçalves de Figueiredo, há muitos anos residente em Moçãmedes, mas oriundo de Vouzela (ou Fataunços?), não é descendente daquele?
A pergunta é retórica, sei que os meus amigos me não saberão responder. Quando estiver com ele, abordarei o assunto.
Cumprimentos.
F.J.Branquinho de Almeida

F e AM disse...

A propósito, quais as justificações dadas para a construção do monumento a Morais Carvalho? Apenas por ser uma influente figura local com projecção nacional?
Quem foi o autor da obra da estátua?
Francisco